Wednesday, April 05, 2006

Real Women Dove
bg_homepage_Tabatha
O video é fantástico!

Com o True Colours de Cindy Lauper como fundo sonoro, ao vermos o apelo à descoberta da beleza individual e à auto-aceitação, até nos esquecemos do fim último de qualquer campanha publicitária - vender!

É meritória a chamada de atenção para a questão essencial da auto-estima, qualidade que se deve desenvolver desde cedo e cultivar durante toda a vida.

No entanto, entre a realidade e a almejada perfeição, milhões de pessoas gostavam de mudar algo em si: altura, peso, cor da pele, cor do cabelo...

CFRB_Home_RWWC_Women0

Mais de 50 % das mulheres dizem que não gostam do seu corpo (Estudo Interno Dove, 2002)

As modelos e actrizes retratadas nos media, têm, no mínimo, menos 10% de gordura corporal do que uma mulher saudável deveria ter (Associação Médica Britânica, 2000)

6 em cada 10 raparigas pensam que “seriam mais felizes se fossem mais magras” (Pesquisa sobre aparência física de adolescentes, Reino Unido, Jan 2004)

Apesar de apenas 19% das raparigas adolescentes terem peso a mais, 67% pensam que “precisam de perder peso” (Pesquisa sobre aparência física de adolescentes, Reino Unido, Jan 2004)


Das 87% das raparigas que dizem que se sentem "infelizes com o seu corpo", 9 em cada 10 pensam que a sua mãe se sente insegura em relação à sua aparência física. (Pesquisa sobre aparência física de adolescentes, Reino Unido, Jan 2004)

O que disseram algumas mulheres entrevistadas:

“As mulheres são bombardeadas com imagens de perfeição normalmente inatingíveis. Quando uma rapariga se olha ao espelho e não se parece com a modelo da revista ou da TV, não é nenhuma surpresa que a sua auto-estima possa ser afectada. É fantástico que marcas como Dove comecem a ouvir as preocupações das mulheres reais.”- Dr. Linda Papadopolous, Psicóloga; Daily Mirror; 29 de Março, 2004

Eu gostaria de dizer que vou comprar produtos da empresa que usa pessoas reais, mas provavelmente isso não será verdade… todas nos queremos parecer com as modelos. O que é caricato é que todas elas podem simplesmente pagar lipoaspirações ou cirurgias estéticas. Além de que as imagens delas são, provavelmente, todas retocadas quando aparecem nestas campanhas.”- Annali Burns; 27; Withington, Manchester; Daily Star; 1 de Abril, 2004

bg_homepage_Irene

O que terá mudado desde que o estudo foi realizado em 2004? Que impacto terá tido uma campanha lançada à escala mundial na mentalidade de homens e mulheres? Que papel pode ter uma marca forte na sociedade? É possível vender e ao mesmo tempo fazer a diferença?



19 comments:

Maria Pedro said...

Só tenho uma coisa para dizer: eu acho as mulheres dos anúncios todas bastante atraentes! Será o seu ar feliz e descomplexado?

a lice said...

Admito a possibilidade de vendar, fazendo a diferença! E, de facto, esta campanha não deixa ninguém indiferente!

Beijinhos.

Armando S. Sousa said...

Por acaso já tinha pensado, nesta tendência, na minha perpectiva muito boa, de fazer anúncios com "pessoas reais", em vez de por um qualquer escanzelado modelo!
É um grande passo para perder complexos!

Caracolinha said...

É mesmo por aí que tudo começa .... por marcar a diferença ... para mim um anúncio que virou o mundo ao contrário e instituiu a posterior vinda da famosa corrente do "girl power" foi o famoso anúncio da "hora coca-cola lihgt" com o outro lá todo descascado em cima do andaíme ... a inversão dos valores em que passamos a ter a figura do "homem objecto" foi de suma importância na mudança de mentalidades ...

Sem dúvida, a diferença vende ... segui o link ... votei ... e a opção enrrugada perdia a olhos vistos ...

Beijoca encaracolada ... um regresso em grande heim ????

eveonclouds said...

Eva
Que belo post! Eu já uso Dove em sabonete, mas acho que esta marca merece o maior respeito por enaltecer a beleza verdadeira de todos os seres, a "uniqueness" de cada mulher ou homem em todas as suas idades! Um "bravo" para ti!

Mocho Falante said...

O meu voto vai inteiramente para a equipa de Comunicação e Imagem da Dove uma verdadeira pedrada no charco e que pode render milhões pelo atrevimento.

É bom ter-te de volta

beijocas

a said...

Olá Eva!!!
bastava que me visses para saberes o que penso!!!:)))
eu costumo dizer que sou uma outsider...nunca me revi em quaiquer padrões da e na moda...
é certo que uso manequins nos desfiles, mas faço a escolha( que te digo custar-me muito fazê-la!!) por outros critérios que não propriamente as medidas físicas!
interessam-me pessoas onde se note existir algo mais do k um belo corpinho!! e interessa-me sobretudo ter um bom clima nos bastidores...
cada vez mais se fala na personalização dos artigos, mas isso não passa de uma farsa!!!
acho que o realmente importante é de facto incentivar as pessoas a assumirem as suas formas de ser e parecer e a procurarem a sua auto-estima!!!
acho esta campanha fantástica. triste é o facto dela ser mesmo necessária!!!

wind said...

No mundo da publicidade tudo é possível. beijos

Maria Pedro said...

Evinha, Evinha, :))))))))
És o máximo!

(Vai haver que goze com estas demonstrações públicas de afecto... Urgh! Que enjoo! - dirão... Eheheheheh! Invejosos!)

BEIJOS!

BÓLICE said...

CARNEEEEEeee...uuuuuuuuuuuuuu uh uh uh uh uh!

inté

ordePadamaR said...

A antecipação do marketing, ao sentimento adormecido das pessoas é de facto notável.

Existe sempre alguém que diz:
"Como é que não me lembrei eu disto.."

Parecido só mesmo o desenvolvimento de patentes para sistemas de abertura fácil de embalagens e coisas do género...o design..

É o que dá a criatividade...

rps said...

O mesmo se passa nos anúncios com homens. Nunca vi nenhum com uma ligeira barriguinha...

escola de lavores said...

Como é hábito os temas sobre que escreve são muiiitoo interessantes.Esta série da campanha da Dove então foi muito, muito bem posicionada. De certa forma é exemplificativa de uma tendência que alguns especialistas em marketing, como Martha Barletta (http://www.trendsight.com/)advogam. Mais curioso é que depois disto, marcas bem mais importantes economicamente começaram a fazer um ajustamento do seu marketing... Pode ser que pegue!

escola de lavores said...

Só para acrescentar que sim, é possível vender e fazer a diferença. De outra forma: vender para corresponder às diferenças da procura; e vender sem usar técnicas ficcionais, prometendo o Além ou o sonho, mas aceitando a 'normalidade/realidade'. Penso mesmo que é para aí que caminhamos.

'Tá Difícil said...

Muito curioso... há uns tempos descobri este anúncio e também editei um "post" sobre ele.
Nessa noite sentei-me com a minha filhota a vermos com atenção esse filme onde aparecem meninas que, como ela, têm uma particularidade absolutamente única e irrepetível. Essa particularidade que as faz inegavelmente belas!
É só olhar com atenção...

adesenhar said...

a publicidade tem o seu efeito mais ou menos eficaz, mas neste caso, a diferença creio que não está no uso do Dove mas sim no sorriso das pessoas.
factores psicológicos que resultam.
:)
bjs

a lice said...

Só para deixar um beijinho.

Eva Shanti said...

MP,

Ad infinitum...!
a lice

A lice,

Boas férias e melhor regresso!

Armando Ésse,
eveonclouds,
Mocho Falante,
OrdePadamaR,

É sem dúvida um passo para um mundo mais real e menos fabricado. Mas parece-me que ainda é uma gota no oceano. Não deixa, contudo, de ser um ponto de viragem.


Caracolinha,

Para mim a grande abanão das mentalidades deu-se com o fenómeno MADONNA. Talvez a hora Coca-Cola Light tenha sido possível porque antes houve uma mulher que não teve qualquer problema em falar dos seus desejos e das suas fantasias.

Ana,

Obrigada pelo teu comentário. Também me parece deveras importante os programas na TV que ensinam as pessoas a tirarem partido do seu melhor e que mostram que o tipo de roupa indicado para mim, para favorecer as minhas formas, não é o mesmo tipo de roupa que é adequado às minhas amigas.

wind,

O mundo da publicidade não pode estar desligado do mundo real. Aliás, há anúncios que ganham prémios internacionais mas o grande público não o percebe, não o atinge. Portanto, uma evolução da publicidade tem de se reflectir na realidade, caso contrário é igual a nada.

BÓLICE,

Abaixo a escazeladas, certo?


A Desenhhar,

Aqui acho que é mais do que tirar partido do factor psicológico. Acho meritória a ideia do Dove Self Esteem Fund, além do video dirigido às meninas e adolescentes que, numa idade crítica de mudança corporal e de necessidade de aceitação, são as que mais sofrem com os esterotipos propangadeados pelos media.

rps,

Pois é, homens com barriguinha... Se bem que os homens não têm tanta pressão sobre o aspecto físico como as mulheres. Por outro lado, há muitos programas que têm a ver com imagem e moda que procuram levar os homens a cuidarem-se um pouco mais. Um pouco mais, mas nada de excessos, que isso não é benéfico para ninguém.

Tá Difícil,

Que bom ter um pai assim, que mostra aos filhos que todos nós temos algo que nos tornas únicos e especiais, que o facto de termos, por exemplo, sardas ou um nariz fora do comum é algo muito nosso e individual.

E não é de todo curioso, pois embora já tivesse vontade de escrever sobre a Campanha da Dove, de ter visto as meninas Dove num programa da Ophra, o que despoletou este post foi a tua chamada de atenção no teu blog. Afinal, inspiramo-nos uns aos outros, certo?

Luísa,

Muito obrigada pelo excelente contributo! Aí está o que mais gosto na blogoesfera: aprender com a partilha dos outros. Já dei uma vista de olhos no site, mas quero explorá-lo melhor. Uma sugestão que deixo a todos! Mais uma vez, obrigada!

Bjs e bom FDS a todos

Eva Shanti said...
This comment has been removed by a blog administrator.