Sunday, November 18, 2007

Joana Vasconcelos, imperdível!
Um reflexão artística sobre o Universo feminino e a existência da mulher no mundo contemporâneo.

Vasconcelos


Tampões, crochés, garrafas, talheres de plástico, aspirinas, panelas. Os objectos do quotidiano são a base de trabalho da artista plástica Joana Vasconcelos.

Joana tornou-se mais conhecida do público em 2005 com A Noiva – um lustre feito com 20.000 tampões OB –, peça principal da Bienal de Veneza, Itália 2005. Segundo a escultora, o plástico com que são revestidos os tampões reflecte a luz quase tão bem como o vidro. Esta peça tem a ver com uma situação muito específica dos valores da mulher, da virgindade, da apresentação da mulher no dia do casamento, do vestido branco, da hipocrisia dos costumes, de como o lustre define socialmente uma família.

JoanaVasconcelosAnoiva01


O todo ofusca a soma das partes. A repetição e acumulação em larga escala conduzem à abstracção das ideias. Os materiais usados são um meio de comunicar, não um fim em si mesmo. O resultado: esculturas imponentes, curiosas, portentosas, lúdicas, ironicamente belas.

dorothy_jardim_03


Dorothy, o sapato de salto alto imenso, glamoroso, reclama a ambiguidade da vida da mulher contemporânea, que é activa, trabalha e anda de salto alto, mas ao mesmo tempo tem uma vida privada à volta dos tachos.

Parte da exposição “Yellow Brick Road" (Palazzo Nani Bernardo Lucheschi, Junho 2007), Dorothy, é uma mistura de Feiticeiro de Oz e Gata Borralheira", o contraponto entre os afazeres domésticos e a vida social activa.

Coração Independente é outra obra de Joana Vasconcelos. Esta escultura de 3,70 metros de altura insere-se na Trilogia Fado: ouro, sangue e morte e inclui dois outros corações de igual tamanho, um dourado e outro negro que representa a morte.

joana-vasconcelos

Coração Independente, Pavilhão Centro de Portugal, Coimbra, 2005. Fotografia de Sandra Leandro.

O coração dourado está temporariamente exposto na sede da União Europeia em Bruxelas, pertencendo ao restaurante Eleven em Lisboa, o coração negro pertence ao Museo de Arte Contemporáneo de Castilla y Leon e o vermelho pertence ao coleccionador João Pinto de Sousa.

Construído com 5.000 talheres de piquenique torcidos a quente, é inspirado no minhoto coração de filigrana, peça de joalharia tipicamente portuguesa e no Fado de Amália Estranha forma de vida: «Coração independente, / coração que não comando: / vive perdido entre a gente, / teimosamente sangrando, / coração independente».

burka_1127


A Burka, escultura mecânica de 2002, faz parte da exposição colectiva «Modern Mahrem» patente no complexo Santralistanbul em Istambul, Turquia até finais de Novembro. Mais vez uma chamada de atenção para a mulher actual e para as burkas invisíveis aos olhos mas usadas continuamente a uma escala mundial.

Joana Vasconcelos ressalva que o facto de criar peças em grande escala torna as suas obras não acessíveis a uma parte dos consumidores, mas lamenta que grandes instituições ligadas à arte mostrem menos interesse em Portugal do que no estrangeiro. "Só a Fundação de Serralves tem uma peça minha, pequena. As outras estão com apenas três coleccionadores particulares" - António Cachola, Pedro Cabrita Reis e José Miguel Júdice.

jv


De personalidade forte e extrovertida, Joana que já foi segurança de uma discoteca e praticou artes marciais. passeia-se de trotineta pelo armazém da Fundição de Oeiras, onde trabalha diariamente nas suas obras.

Rejeita o rótulo de feminista porque a sua análise "é mais social, a nível prático mais do que político", esclarece.

Todavia, é inegável que a artista afirma com a sua arte os paradoxos do universo feminino e confronta o mundo com questões directamente relacionadas com a mulher moderna.

Na recente entrevista à Revista Máxima, Dezembro 2007, diz:

"Sou feminista criticando as mulheres. A mulher está sempre a trabalhar no interior, está perdida no seu interior, começa a descobrir que existem outras coisas. O objectivo é o pensamento, através da inteligência. Critico as mulheres que mantêm um discurso feminista, que é conservador, que não evoluiu."


3 comments:

Meia Lua said...

Não a conhecia. Obrigada por me apresentares, e não é que fiquei fã? Beijokas para ti :*

Isabel-F. said...

Nunca tinha ouvido falar dela ...

achei simplesmente soberbos os trabalhos dela que aqui apresentaste ...

beijinhos

[A] said...

Olá Eva.
Excelente post.
Gosto muito da Joana vasconcelos e já tive oportunidade de a postar por 2 vezes. Eu acho o trabalho dela de uma ironia acutilante. De uma forma mais óbvia nuns trabalhos, menos em outros, acaba por colocar sempre o "dedo na ferida" e no papel da mulher "pós-moderna".