Sunday, October 19, 2008

Cheguei atrasada. Aí uns quarenta minutos. Detesto fazer esperar os outros, mas uma coisa levou à outra. O tempo passa, não perdoa. Tinha de pensar rápido numa solução para me redimir da demora. Olhei para a minha mini-garrafeira. Afinal, uma casa portuguesa não está completa sem uma reserva de vinho, mesmo que humilde, exígua. Não importa o pouco que se tem, mas a qualidade e o propósito, ainda que nem todas as situações possam ser antecipadamente previstas. Costuma ser a ocasião que faz apetecer um bom vinho. Foi então que tive a certeza. A garrafa que antes comprara, não pela qualidade do conteúdo, mas pelo rótulo sugestivo e belo, pareceu-me adequada. Cheguei atrasada, sim, mas com uma garrafa de vinho tinto, de aromas frutados, notas florais e balsâmicas (dizem). Um "desculpa" nos lábios e uma garrafa de "Amo-te" na mão, bem à altura do rosto. O vinho? Continuo sem o provar...


2 comments:

instantes e momentos said...

vim conhecer teu blog, vim de longe, mas gostei daqui, Tudo muito bom e bem escrito.
Tenha um bom dia.
Maurizio

aDesenhar said...

frutados e um suave toque a chocolate.
:-)